Cientistas registram imagens visíveis do coração por dentro

O azul marca o sangue passando do coração em direção aos pulmões; o vermelho e o amarelo representam o sangue que vem dos pulmões antes de ser bombeado para o resto do corpo.
Foto: BBC Brasil


Graças a sofisticados aparelhos de ultrassonografia, cientistas da Universidade de Freiburg, na Alemanha, e do Imperial College de Londres conseguiram imagens inéditas do fluxo de sangue dentro do coração.
A cor azul marca o sangue passando pelo lado direito do coração em direção aos pulmões. O vermelho e o amarelo representam o sangue que vem dos pulmões, passa pelo lado esquerdo do coração e é bombeado para o resto do corpo.
Os cientistas esperam que, no futuro, esse tipo de imagem ajude a identificar os problemas no coração de pacientes cardíacos.

Pesquisas revelam que Navegação começou 100 mil anos antes

As ferramentas de pedra encontradas na ilha de Creta são evidências das primeiras atividades de navegação, há pelo menos 130 mil anos.
Foto: The New York Times

JOHN NOBLE WILFORD

Seres humanos em estágio inicial de evolução, ou até mesmo seus antepassados pré-humanos, podem ter saído ao mar muito antes do que qualquer pesquisador imaginava. É essa a surpreendente conclusão a que descobertas feitas nos dois últimos anos na ilha de Creta parecem conduzir.
Algumas ferramentas de pedra encontradas lá, dizem arqueólogos, têm pelo menos 130 mil anos de idade e são consideradas como fortes indícios das primeiras atividades de navegação como Mediterrâneo; as descobertas podem resultar em uma reavaliação das capacidades marítimas de culturas pré-humanas.
Creta é uma ilha há mais de cinco milhões de anos, o que significa que os responsáveis pela produção das ferramentas devem ter chegado a ela de barco. Assim, isso parece empurrar para 100 mil anos mais cedo do que se imaginava a história das travessias do Mediterrâneo, dizem especialistas em arqueologia da Idade da Pedra. As descobertas anteriores de artefatos mostram que pessoas haviam chegado a Chipre, algumas das demais ilhas gregas e possivelmente à Sardenha há no máximo 10 ou 12 mil anos.
A mais antiga travessia marítima já registrada e confirmada foi a do Homo sapiens anatomicamente moderno para a Austrália, iniciada cerca de 60 mil anos atrás. Também existe uma corrente sugestiva de indícios, especialmente esqueletos e artefatos encontrados na ilha de Flores, Indonésia, sobre a possibilidade de jornadas marítimas para novos habitats empreendidas por hominídeos anteriores.
Ainda mais intrigante é que os arqueologistas responsáveis pela descoberta das ferramentas em Creta tenham percebido que o estilo dos machados encontrados sugere que eles podem ter se originado 700 mil anos no passado. A conclusão talvez seja um tanto forçada, reconheceram, mas as ferramentas se assemelham à tecnologia de trabalho em pedra conhecida como acheulense, originada entre populações pré-humanas na África.
Mais de dois mil artefatos em pedra, entre os quais os machados, foram recolhidos na costa sudoeste de Creta, perto da cidade de Plakias, por uma equipe comandada por Thomas Strasser e Eleni Panagopoulou. Ela trabalha para o Ministério da Cultura da Grécia e ele é professor associado de história da arte no Providence College, em Rhode Island.
Os dois foram auxiliados por geólogos e arqueólogos gregos e norte-americanos, entre os quais Curtis Runnels, da Universidade de Boston; Strasser descreveu a descoberta no mês passado durante uma reunião do Instituto Arqueológico da América. Um relatório formal foi aceito para publicação pela "Hesparia", a revista da Escola Americana de Estudos Clássicos, em Atenas, uma das instituições que apoiam o trabalho de campo.
A equipe de pesquisa em Plakias estava em busca de restos materiais do trabalho de artesãos mais recentes, que viveram no máximo 11 mil anos atrás. Os artefatos em questão seriam lâminas, pontas de lança e pontas de flechas típicas dos períodos mesolítico e neolítico. "Nós encontramos o que estávamos procurando, e em seguida encontramos os machados", disse Strasser em entrevista na semana passada. E isso levou o time a redobrar seus esforços.
"Ficamos completamente atônitos", disse Runnels, em entrevista. "Aquelas coisas não deveriam estar lá". Informações sobre as descobertas já vinham circulando entre os estudiosos da Idade da Pedra. Os poucos deles que viram os dados e algumas fotos - a maior parte das ferramentas foi encaminhada a Atenas - se declaram animados e impressionados com a descoberta, embora expressem certa cautela. Se as pesquisas forem confirmadas por novas estudos, elas resultarão em mudanças na cronologia do desenvolvimento tecnológico e nos relatos dos livros didáticos sobre a mobilidade dos seres humanos e pré-humanos do passado distante.
Ofer Bar-Yosef, autoridade em arqueologia da Idade da Pedra na Universidade Harvard, disse que o significado da descoberta dependeria da datação do sítio. "Assim que os pesquisadores determinarem a datação", ele afirmou em mensagem de e-mail, "teremos uma compreensão melhor da importância dessa descoberta".
Bar-Yosef afirmou que havia visto apenas algumas fotos das ferramentas cretenses. As formas que elas exibem só servem para indicar uma idade possível, ele afirmou, "mas lidar com os artefatos pode oferecer impressão diferente". E a datação, ele afirma, terá o papel determinante. Runnels, que tem 30 anos de experiência em pesquisas sobre a Idade da Pedra, disse que uma análise conduzida por ele e três geólogos "não havia deixado muita dúvida sobre a idade do sítio, e as ferramentas devem ser ainda mais antigas".
As encostas e cavernas por sobre a costa, afirmaram os pesquisadores, foram erguidas por forças tectônicas no ponto em que a placa continental africana se encaixa por sob a placa europeia e a força a subir. As camadas erguidas e expostas devido a esse fenômeno representam a sequência de períodos geológicos que foram bem estudados e datados, e em alguns casos se correlacionam a datas estabelecidas de períodos glaciais e interglaciais da mais recente era glacial.
Além disso, a equipe analisou a camada que abrigava as ferramentas e determinou que a terra que ela encobria havia estado na superfície entre 130 mil e 190 mil anos no passado.
Runnels diz que considera que essa seja a idade mínima para as ferramentas. Elas incluem não apenas machados de quartzo mas também lixas e cunhas, todas as quais em estilo acheulense. As ferramentas podem ter sido produzidas milênios antes que terminassem, de certa forma, congeladas no tempo, sob as cristas de Creta, dizem os arqueólogos.
Runnels sugeriu que as ferramentas poderiam ser duas vezes mais velhas que as camadas geológicas. Strasser afirmou que podem ter até 700 mil anos de idade. Novas escavações serão realizadas na metade deste ano. A data de 130 mil anos conduziria a descoberta a um período no qual o Homo sapiens já se havia desenvolvido na África, o que ocorreu por volta de 200 mil anos atrás. A presença desse grupo na Europa não se tornou aparente antes de 50 mil anos atrás.
Os arqueólogos só podem especular quanto a quem seriam os produtores das ferramentas. Há 130 mil anos, os seres humanos em sua forma anatômica moderna dividiam o mundo com outros hominídeos, como os neandertalenses e o Homo heidelbergensis. A cultura acheulense, ao que se sabe, teria surgido com o Homo erectus.
A hipótese padrão vem sendo a de que os produtores acheulenses de ferramentas chegaram à Europa e Ásia via Oriente Médio, atravessando principalmente o território do que é hoje a Turquia, e seguindo rumo aos Bálcãs. A nova descoberta sugere que sua dispersão não estava confinada a rotas terrestres. Isso pode emprestar credibilidade à ideia de que houve migrações vindas da África, através do estreito de Gibraltar e rumo à Espanha. A costa sul de Creta, onde as ferramentas foram encontradas, fica a 320 quilômetros da África do Norte.
"Não podemos afirmar que os fabricantes das ferramentas vieram da Líbia, a 300 km", disse Strasser. "Se você navega em uma balsa, a jornada é longa, mas eles podem ter vindo do continente europeu, em jornadas mais curtas, passando pelas ilhas gregas".
Mas os arqueólogos e os especialistas nos primórdios da história náutica humana dizem que a descoberta parece servir como demonstração de que esses navegadores surpreendentes de um passado distante dispunham de embarcações mais resistentes e mais confiáveis que as balsas. Também podiam estar dotados da capacidade de conceber e executar travessias marítimas a longa distância a fim de estabelecer populações sustentáveis e capazes de produzir artefatos de pedra em escala abundante.

Tradução: Paulo Migliacci ME


Pesquisa mostra que medo aumenta chances de queda de idoso

São Paulo - Uma pesquisa realizada pela Universidade de São Paulo (USP) e pela Universidade Gama Filho (UGF), do Rio de Janeiro, mostra que quanto maior o medo de cair do idoso, maiores são as chances de haver queda, segundo informa a Agência USP.

“Dentre os motivos que contribuem para que idosos se sintam inseguros estão o raciocínio mais lento e menor percepção do ambiente. Logo, eles têm mais medo de cair e o risco de queda aumenta”, disse a fisioterapeuta Mariana Callil Voos, da Faculdade de Medicina da USP (FMUSP).

O estudo se baseou em testes feitos com 38 idosos com idades a partir de 60 anos. Foram testadas ligações entre o tempo em que os idosos executavam cada tarefa de raciocínio com a Escala de Equilíbrio de Berg (EEB). Essa escala mede o equilíbrio estático e dinâmico em atividades como pegar um objeto, girar o corpo, sair de um local a outro, permanecer em pé e se levantar.

Ao se fazer a comparação entre as atividades, os pesquisadores verificaram que quanto menor o tempo em que o idoso realizava a tarefa de raciocínio, maior era a pontuação na EEB, portanto, melhor o seu equilíbrio.

Além disso, foram testadas correlações entre as tarefas de raciocínio e a chamada Escala de Risco de Queda, que mede o medo de cair durante a realização de atividades diárias. A escala consistiu em 16 perguntas, cuja reposta variava numa pontuação de 1 (não estou preocupado) a 4 (estou muito preocupado).

Ao relacionar as duas escalas, se chegou à conclusão de que quanto maior a preocupação de queda do idoso, menor era sua pontuação na EEB, portanto, menor era seu equilíbrio.

Mariana afirmou que uma das particularidades da pesquisa se deve à preocupação em se relacionar o raciocínio com as atividades motoras. “Quando avaliam o idoso, geralmente se vê apenas a parte motora ou apenas a parte intelectual. Esse estudo acrescenta essa nova forma de ver a deficiência do idoso como uma deficiência conjunta. A perda de memória e a falta de atenção são perdas que acontecem simultaneamente com as incapacidades motoras”, explicou.

As informações são da Agência USP.

ARMAS DO FUTURO

Infelizmente Gastam-se mais milhões de dólares em tecnologia para matar, do que para curar ou dar vida.
Os principais Governos Mundiais gastam milhões de dólares a desenvolver novas armas, cada vez mais mortíferas, e dignas de qualquer filme de ficção científica, vejam:

HEL ( High Energy Laser ) nivel de alta potência :

Aqui fica para download alguns documentos pdf,
High energy Laser, plano de defesa laser, do Departamento da Defesa ( DOD: Department of Defense) , 4 Março de 2000
( documento pdf, , 356 kb. )

Documento acerca de armas da velocidade da Luz, laboratório da Força Aérea americana sobre armas de energia direccionada.
( pdf com 481 kb. )

armas microondas

Lasers semicondutores, químicos, gasosos e em estado sólido.

Starfire Optical Range division.
Opera com dois grandes telescópios integrados com múltiplos lasers e sistemas ópticos adaptados.
Pode servir como arma laser no terreno.

Isto não é ficção científica, é real, visite o website do laboratório de pesquisas da força aérea americana www.de.afrl.af.mil

A divisão de pesquisa sobre microondas de alta potência desenvolve armas de microondas.

arma microondas ads arma laser
Arma microondas . Laser incorporado num avião.
ADS ( Active Denial System )


ASAT: Anti-satellite weapon :

Se você pensa que o maior objectivo da NASA é a pesquisa de vida extraterrestre no espaço ou estudo dos planetas, está muito enganado(a).
O principal objectivo da NASA é militar, o governo canaliza milhões de dólares para a NASA, quem é que coloca os satélites no espaço? Será o Pentágono?
É a NASA.
Os EUA estão a desenvolver satelites equipados com laser que podem danificar ou simplesmente sabotar satélites "inimigos" sejam militares ou de telecomunicações, para prejudicar seriamente
o país "inimigo".

PHaSR:

O capitão Drew F. Goettler , do laboratório de pesquisa da Força Aérea americana, sobre armas de energia direccionada, testando a PHaSR
( Personnel Halting and Stimulation Response ) ao que parece ( segundo dizem eles) o laser cega temporariamente o agressor...
Este protótipo foi construido na base militar de Kirtland, N.M. e Testada no Non-lethal weapons directorate em Quantico.


Arma Sonora :

A empresa americana Sierra Nevada anunciou que irá lançar um novo tipo de arma microondas sonoras, a MEDUSA ( Mob excess Deterrent Using Silent Audio ).
Provocará sensações de choque no esqueleto através de pulsos sonoros..
Esse tipo de armas causa polémica, os efeitos secundários não foram testados ainda, poderá causar problemas neurológicos nas pessoas.
E as armas de microondas por exemplo, que causam forte ardor na pele, podem causar problemas irreparáveis nos olhos das pessoas, ou problemas cardíacos, pois numa multidão nem todos os
indivíduos são jovens e saudáveis, poderão haver pessoas de mais idade ou com problemas de saúde, e os militares não saberiam, não adivinham esses pormenores.


Veja aqui um relatório oficial, da Marinha, do 1º teste:
Link oficial AQUI.


Canhão laser MTHEL. ( Mobile tactical High energy Laser )


Trata-se de um laser super estruturado e químico de fluoreto de deutério que é direccionado através de um sistema de espelhos para o alvo, gera altíssimas temperaturas .
Pode ser usado como raio contínuo ou em pulsos, o que aumenta o seu poder destrutivo. Inicialmente projectado para conter mísseis e bombas de longo alcance, ele mostrou-se uma alternativa versátil que poderia ser usada para outros propósitos além de destruir artilharia aérea.
Uma vez que é luz e nada além disso, o disparo é instantâneo e pode atingir milhares de graus em segundos, derretendo qualquer míssil ou foguete inimigo.



ATL ( Advanced Tactical Laser ):


Um raio laser silencioso e invisível é a nova arma dos EUA que atinge os seus alvos com um forte calor a uma distância de até 20 km.
O Advanced Tactical Laser (ATL) pode disparar a uma distância suficiente para que a aeronave ( Hércules, de transporte militar) não seja sequer avistada, principalmente durante a noite.
O laser foi testado com sucesso poucos meses atrás e possui um nível de precisão sem precedentes, tendo a capacidade para atingir os pneus de um carro para detê-lo ,por exemplo..
O ATL de 5,5 toneladas combina moléculas de cloro e peróxido de hidrogénio para libertar energia, que é usada alternadamente para estimular o iodo a libertar a intensa luz infravermelha.
A nova arma traz a possibilidade de “negação plausível” em qualquer situação em que possa ser utilizado. Como não há comparações, seria difícil de discernir se os danos a uma pessoa ou veículo foram resultados de um raio laser. Juntando a isso o grande alcance da arma os EUA poderiam realizar uma missão e ainda assim negar o seu papel no mesmo, segundo porta-vozes oficiais.
Uma segunda versão, ainda maior, da arma já está próxima dos seus primeiros testes. Um laser aéreo muito maior terá o propósito de defesa contra mísseis e será carregado em um Boeing 747


DREAD : Arma silenciosa

Não gera impulso, nem ruídos, nem flashes, é imperceptível, o inimigo não a perceberia que ela foi disparada... E dispara cerca de 12 mil munições por minuto !!
O sistema pode ser instalado em qualquer veículo, e inclusive em satélites !


Tanques invisíveis :

O Ministério da Defesa britânico revelou aos mídia em outubro de 2007 que havia obtido sucesso num projecto que tornava um tanque de guerra invisível ao olho humano.
Ainda que o governo britânico esteja preservando o segredo quanto aos detalhes, divulgou a idéia básica da tecnologia utilizada.
O tanque é revestido de silício, o que na prática faz dele uma tela de cinema com grande poder de reflexão.
Câmeras de vídeo posicionadas no veículo registram imagens em tempo real do ambiente que o cerca, e projectores exibem essas imagens na superfície do tanque.
Para observadores que assistiram a testes secretos conduzidos pelo exército britânico em outubro de 2007, a única coisa visível eram as imagens do terreno projectadas no tanque.
"O próximo passo seria tornar o tanque invisível sem [as câmeras e projectores]", disse o físico John Pendry ao Daily Mail, "o que é complicado, mas possível".
Outra forma de invisibilidade é utilizando metamateriais, por exemplo para produzir fatos de invisibilidade para os soldados, veja testes links :

Link 1
Link 2



Campo de força invisível:

Nos filmes de ficção científica podíamos ver ovnis protegidos por um campod e força invisível, um bom exemplo é o filme "Independence Day ",porém hoje já existe essa tecnologia, os israelitas inventaram-na(ou copiaram de algum ovni caído, através de engenharia reversa )?
Trophy Active Protection System , ( desenvolvido pela empresa Raphael )

Veja este vídeo que passou na "Fox News"




Rússia e Índia vão produzir novo míssil supersónico :

Estará a Rússia e aliados, a preparar-se para uma guerra com os EUA .?
Rússia e Índia vão desenvolver juntas o míssil supersónico "BrahMos 2”, declarou o director gerente da empresa mista "BrahMos", Siwathanu Pillei.
A empresa russo-indiana produz actualmente o míssil supersónico contra navios “BrahMos”. A velocidade do míssil elaborado deverá superar cinco vezes ou mais a velocidade do som , e então o “BrahMos2”, será praticamente invulnerável aos mísseis interceptores . ( fonte: Pravda.ru )

Aviões anfíbios A-42 :

A aviação naval da Rússia terá aviões anfíbios A-42 (projectados pela empresa Beriev e fabricados por uma empresa na cidade de Taganrog) para operações de combate e missões de resgate a partir de 2010, informou o Comandante adjunto da Aviação Naval da Marinha , general Nikolai Kuklev.
“No futuro temos os planos de adquirir aviões anfíbios A-42 adaptados para a luta anti-submarinos”, indicou o general. ( fonte: Pravda.ru)


Wasp Knife :

Uma faca assustadora, ela possui no cabo uma cápsula de gás comprimido, esse gás é ( através da lâmina) injectado dentro da vítima, gelando os seus orgãos, cria ainda uma espécie de "bolha de gás"
comprimida , o corpo da vítima incha e pode rebentar. Eles dizem (obviamente) que essa faca é apenas para caça, para defesa contra predadores em terra ( exemplo: Ursos), ou no mar ( exemplo: tubarões), ou arma táctica para exército e forças especiais. Link do Site oficial Wasp Knife aqui.
Obivamente é certo que, muitos criminosos também estarão ansiosos para obtê-la.


Tecnologias para o exército americano, parecem saídas de filmes de ficção :

John Parmentola Laboratório de Pesquisa e Gerenciamento do exército dos EUA disse que eles estão “transformando a ficção científica em realidade”.
A lista de tecnologias nas quais eles estão trabalhando é extensa e impressionante:

* Nano-andaimes para regenerar partes do corpo.
* Telepatia através de impulsos electrónicos no couro cabeludo.
* Soldados holográficos inteligentes realistas que podem ser enviados ao campo de batalha através de “ quantum ghost imaging ” ( imagens quânticas fantasmas , em tradução literal )
Para testá-las eles querem utilizar mundos multi-player massivos virtuais como o World of Warcraft na internet..
Assim que os soldados forem aperfeiçoados eles querem “enviá-los” ao campo de batalha usando algo denominado “ imagens quânticas fantasmas ”.
Isso irá permitir criar um holograma realista no ar ao “colocar prótões em pares que não reflectem nos objectos, mas noutros prótões”, o que faria uma partícula de luz bater na outra formando uma imagem da mesma forma que ela é gerada quando a luz reflecte sobre algo sólido.
“É como ter uma caneta que risca ao redor de uma imagem que está conectada a outra que desenha num papel, que então imita exactamente o que você está desenhando com a primeira caneta.”


Outros projetos nos quais eles estão trabalhando segundo o pesquisador são:

* Um projeto para apagar memórias ruins, que será crítico para ajudar soldados com problemas psicológicos causados pela guerra.
* Dispositivos que podem traduzir os pensamentos dos soldados em sinais eléctricos que podem ser enviados para outros soldados, ajudando operações furtivas.
* As pesquisas não estão muito distantes de fazer crescer órgãos internos e membros usando partículas que agem como andaimes nano-métricos para fazer com que as células se multipliquem e que se dissolvem assim que o órgão está regenerado.

Fonte. Dod Buzz

Pesquisa mostra que intenção de compra no varejo é recorde


Levantamento mostra que 77% dos consumidores pretendem comprar.
Disposição para comprar pela internet também cresceu, aponta FIA.


A proporção dos consumidores que pretendem adquirir bens duráveis neste primeiro trimestre alcançou 77%, segundo pesquisa do Provar/FIA e da Felisoni Consultores Associados. O percentual é o maior desde o quarto trimestre de 1999, quando teve início o levantamento. No primeiro trimestre de 2009, a intenção de compra era de 66,6%.
A Pesquisa Trimestral de Intenção de Compra no Varejo avalia as intenções de compras e de gastos em relação a dez categorias de produtos (linha branca, eletroeletrônicos, telefonia e celulares, informática, automóveis e motos, cine e foto, material de construção, cama, mesa e banho, e móveis e eletroportáteis) e uma avaliação sobre a utilização de crédito nas compras de bens duráveis.
De janeiro a março, os itens de cine e foto lideram as intenções de compra, com 14%, seguidos pelos produtos de informática, com 13,2%, e o segmento de telefonia e celulares 12%.
Também houve elevação na expectativa de gasto médio em metade das categorias pesquisadas, na comparação entre os primeiros trimestres de 2009 e 2010. A maior alta é esperada nos gastos com eletro-eletrônicos, de 103,5%, seguida por material de construção (24%), móveis (12,4%), informática (10,5%) e cama mesa e banho (6%).

Compras pela internet

O levantamento do Provar/FIA também apontou alta na intenção de compras pela internet em relação ao trimestre anterior, com 86,8% dos entrevistados declarando intenção de comprar pelo menos um item dos segmentos consultados.
A preferência dos consumidores é pelos segmentos de CDs, DVDs, livros e revistas; informática e eletroeletrônicos, que apresentam crescimentos mais expressivos: 56,4%, 50,2% e 14,7%, respectivamente.

Pesquisa mostra vulnerabilidade da saúde de catadores de material reciclável


Uma jornada de trabalho que se estende por, pelo menos, dez horas diárias somada a condições precárias, além de baixa remuneração é o dia a dia de aproximadamente 230 mil homens e mulheres que trabalham como catadores de materiais recicláveis no país. A combinação torna a saúde dessa parcela da população vulnerável a diversos riscos.
A constatação faz parte de um estudo divulgado pela Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz). A autora da pesquisa, a bióloga Jandira Aureliano de Araújo, ex-aluna do mestrado em saúde pública da Fiocruz Pernambuco, afirma que a “invisibilidade pública” a que são submetidos esses trabalhadores tem como consequência uma autoestima prejudicada e o descuido com a saúde.
Para realizar a pesquisa, ela acompanhou durante cerca de um ano a atividade de catadores da comunidade de São José do Coque, em Recife (PE), onde vivem cerca de 1,8 mil pessoas.
Segundo ela, essas pessoas reclamam que ficam à margem da sociedade, que muita gente até se assusta quando os vê revirando latas de lixo próximas a pontos de ônibus, por exemplo, procurando alguma coisa que possa ser reciclada.
“Por isso, embora percebam os riscos aos quais estão expostos por conta do seu trabalho, eles quase não tomam atitudes preventivas, como o uso de equipamento de proteção”.
De acordo com a bióloga, entre as explicações citadas estão a falta de dinheiro para comprar luvas, botas e máscaras e o desconforto que o uso desse tipo de equipamento causa.
“A preocupação maior é trabalhar, é ter aquele dinheirinho garantido, porque para eles o risco de morrer de fome é maior”.
Jandira alerta que esses profissionais enfrentam riscos sérios, já que é comum encontrar entre os entulhos objetos cortantes ou contaminados, como lixo hospitalar.
Na comunidade observada, os catadores ganham de R$ 30 a R$ 50 por semana com a venda do material coletado. Por um quilo de papelão, eles recebem de R$ 0,10 a R$ 0,15.

Pesquisa científica sobre tremores foi revolucionada pelo terremoto de São Francisco.

Tragédia, que deixou 700 mortos e 200 mil desabrigados, estimulou a pesquisa mundial sobre terremotos e o desenvolvimento dos melhores tipos de construção para atenuar seus efeitos

O terremoto de 18 de abril de 1906 na Califórnia é classificado como um dos tremores mais significativos de todos os tempos, mas sua importância vem mais da riqueza do conhecimento científico dele derivado do que do seu tamanho ou intensidade.
Com magnitude estimada em 7,8 graus, o “Grande Terremoto de São Francisco” foi uma das maiores tragédias naturais dos EUA. O tremor e um incêndio subsequente deixaram mais de 700 mortos, 200 mil desabrigadas em uma população de 450 mil e mais de 25 mil construções condenadas.
Depois da devastação da cidade, as companhias de trens Southern Pacific e Santa Fe Railroads liberaram os portões de embarque de suas plataformas para que qualquer pessoa pudesse fugir da região afetada. Cerca de 100 mil pessoas foram contabilizadas no embarque da estação de Oakland.
Após a tragédia, uma comissão de cientistas da Califórnia começou a elaborar um relatório sobre o terremoto e seus efeitos. Naquela época, relativamente pouco era compreendido sobre o fenômeno, como e onde ele ocorria ou o perigo que representava.
O relatório final da comissão, publicado em 1908, foi uma compilação exaustiva de documentos detalhados de mais de 20 cientistas sobre os danos do terremoto, o movimento na falha geológica de San Andreas – responsável pelo terremoto de 1906 – e os registros dos sismógrafos em terremotos de todo o mundo. Até hoje, sismólogos, geólogos e engenheiros consideram esse documento um ponto de referência para investigações sobre os efeitos dos terremotos.
Por causa dessa iniciativa, um intenso programa de pesquisas sobre terremotos foi desenvolvido nos EUA em parceria com vários países também afetados por tremores.
Desde então, aparelhos sismógrafos são usados para medir a intensidade de pequenos abalos sísmicos e a velocidade de movimento das placas tectônicas ao redor do mundo.
Os dados dessas redes de instrumentos passaram a ser analisados com o auxílio de computadores e, por meio dessas observações, cientistas foram capazes de criar uma imagem detalhada da localização e atividade das centenas de falhas que compõem o sistema de placas.
Tendo como base esses estudos, engenheiros ao redor do mundo conseguiram desenvolver regras de construção para edifícios e pontes mais resistentes aos tremores. As análises também serviram para orientar empresas de seguro na hora de formular suas apólices em áreas sujeitas a terremotos.


Reconstrução

A reconstrução de São Francisco foi rápida e praticamente concluída em 1915, a tempo para a Exposição Panamá-Pacífico, que celebrou a restauração da cidade e sua origem “das cinzas”.
Doações e ajuda para a reconstrução foram enviadas de várias partes dos EUA e do mundo, mas os sobreviventes do terremoto enfrentaram muitas dificuldades nas primeiras semanas após a tragédia. Eles dormiam em tendas nos parques da cidade, faziam longas filas por comida e eram obrigados a cozinhar os alimentos nas ruas para atenuar a ameaça de incêndios.
No âmbito político, o Congresso americano respondeu ao desastre de várias maneiras. A Câmara Baixa e o Senado liberaram verbas de emergência para a cidade comprar alimentos, água, tendas, cobertores e suprimentos médicos. O governo também liberou fundo para a reconstrução dos edifícios públicos que foram danificados ou destruídos.
O terremoto de 1906 ainda é lembrado todos os anos pela população de São Francisco, que comemorou seu centenário em 2006 com a presença de 11 sobreviventes da tragédia.


fonte: IG

Pesquisa revela que jovens usam internet escondido dos pais.


Crianças e jovens brasileiros entre 8 e 17 anos passam 70 horas por mês conectados à internet, é o que diz a pesquisa realizada pelo Norton Online Living Report (NOLR), da Symantec. Segundo o estudo, boa parte desse tempo é sem o consentimento dos pais, que pensam que os filhos ficam apenas em torno de 56 horas mensais à frente do computador. E garotada passa boa parte dessas 70 horas, cerca de 13 horas, apenas em redes sociais ou bate-papos na internet.
Em outra pesquisa, dessa vez da Kaiser Family Foundations, nos EUA, foi constatado que crianças e jovens americanos entre 8 e 18 anos consomem mais de sete horas diárias de conteúdos eletrônicos.

Pesquisa revela que 21% da população mundial prefere companhia de animais de estimação


Embora no Brasil o dia dos namorados seja comemorado no dia 12 de junho, em muitos outros países esta data é festejada no dia 14 de fevereiro, no dia de São Valentim ou Valentine's Day.
E como em alguns países já se faz a contagem regressiva para esta data, uma grande polêmica está no ar: Um em cada cinco (21%) cidadãos no mundo escolheria passar o dia dos namorados com um animal de estimação e não com seus parceiros.
Isso é o que indica pesquisa feita pela Ipsos, referência mundial em pesquisa de mercado e interpretação de dados. A pesquisa diz ainda que, Contrariando estereótipo, a propensão em trocar o parceiro pelo animal de estimação tem mais a ver com idade do que com sexo e que os mais velhos estão menos propensos a trocar o parceiro pelo animal de estimação.
A pesquisa realizada com mais de 24 mil adultos – mais de mil por país – mostra que os entrevistados da Turquia (49%) são os mais propensos a passar o tempo com um animal de estimação e não com o parceiro, seguidos pelos da Índia (41%), do Japão (30%), da China (29%), dos EUA (27%) e da Austrália (25%). No Brasil, o número chega a 18%, ficando atrás da Argentina e da Espanha, por exemplo.